sexta-feira, novembro 10, 2006

Cheia de raivas

odeio quando quero escrever e não tenho como! restam-me as teclas deste móvel que tem tanto de imprescindivel como de inútil. Vou aproveitar antes que as lágrimas me traiam, aqui, em pleno comboio.
estou a odiar o meu dia apesar de todas as coisas boas que por ele já passaram... é incrivel como nós, digo antes, eu, tenho a infeliz tendência a esquecer o agradável quando algo de pior se me presenteia.
hoje estou farta de acumular raivas, de me sentir como que a explodir por dentro.
são tão putas estas raivas!! sim, putas! deixem-me dizê-lo, deixem-me escrevê-lo porque é assim que o sinto.
apetece-me chorar, gritar, espernear... não o faço porque no fim daria merda... porque não teria dois braços que me abraçassem, duas mãos que me passassem pelo cabelo, com suaves caricias e uma voz que me dissesse 'pronto, já passou. eu estou aqui contigo' ... mas não ...
estou sozinha.
hoje, ontem, antes desse dia... e a realidade é que odeio estar sozinha!
ouvi sempre dizer que o ser humano tem a inacta caracteristica de se sentir insatisfeito com tudo. pergunto-me até que ponto aquilo que eu sinto é insatisfação. sempre de mal comigo, com o meu espelho, usando a auto-critica como uma destruição constante.
estou num 'dia não', eu sei! mas queria que alguém estivesse disposto a partilhar comigo o que sinto.
perdoem-me os amigos; eu sei que todos os que me leem pensam ser injusta por dizer isto... afinal, todos dizem estar disponiveis... e eu sei que estão... mas sei também que, fazendo uma análise honesta, as coisas não são bem assim...
nem sempre estamos dispostos ou podemos efectivamente largar as nossas coisas pra irmos 'aturar' as raivas de quem gostamos. eu sei que tenho amigos, muitos felizmente, mas não os tenho aqui, agora, ao meu lado de corpo presente.
não é um lamento, apesar de cair na hipotese de o acharem =compreendo que todos andamos movidos por cargas de bem feitores que nem sempre podemos pôr ao nosso favor... compreendo também que a vida está complicada para todos e que há muita gente (mesmo muita) pior do que eu mas, do fundo do coração, isso não alivia nem um pouco a raiva que sinto...
(Ingratidão?! ... Chamem-lhe o que quiserem.)
e digo raiva porque hoje é isso mesmo! não é dor, não é sofrimento, não é tristeza nem sequer insatisfação. é toda essa mistura de sentimentos, de sensações...
não sei porque escrevo tudo isto aqui. possivelmente para apagar quando, numa outra ocasião, voltar a ler.

estou a acalmar um pouco já (a escrita tem este efeito em mim) agora que a viajem está quase no fim e que acabei por ser vencida por algumas lágrimas que, sem noção do lugar onde eu estou, me saltaram incontrolavelmente - tenho a sorte de ser discreta :)

amanhã é outro dia e vou acordar melhor, possivelmente a achar isto tudo uma estupidez, mas... hoje é assim que estou: cheia de raivas!





AnAndrade